BREAKING

domingo, 6 de março de 2016

Romance em 3D - Valentina - Capítulo 9

_Ei preciso sair, vou ao supermercado e comprar mais algumas roupas para você. Quer vir? Fala comigo, vai? Tem três dias que estamos aqui e você não  falou mais nenhuma palavra comigo. E ainda não me disse seu nome. Vamos? Quer dar uma volta? ...  Ok. Não vou demorar muito, já está anoitecendo, em uma hora estarei de volta.

Meia hora depois...
“Ela é doce e atenciosa, mas não posso me deixar enganar.”

“Eu deveria aproveitar e sair daqui, mas não tenho forças, me sinto um desastre total.”

Algum tempo depois...
_Ei Louquinho já cheguei. Vou fazer sopa. O que você acha? Com esse frio acho que é uma ótima ideia. Quer me ajudar? Você hoje vai me acompanhar não vai? Não gosto de comer sozinha.

“Ele está começando a confiar em mim, poderia ter ido embora mais não foi. É só uma questão de tempo. Ainda está muito abatido e fraco talvez esse seja o motivo de não ter ido. Prefiro acreditar que estou conquistando a sua confiança."

_Yoan. Chamo-me Yoan e não gosto do apelido que você me deu. Não estou e nunca estive louco.
_Desculpa. Eu não tive a intenção de te chatear, mas confesso que se soubesse que você iria reagir já teria feito antes.

_Não consigo acreditar. Acho impossível você não saber o meu nome, você trabalhava lá. Por quando tempo você disse? Um ano?

_Sim Yoan foi um ano, eu estava tão envolvida com a minha própria dor e meus problemas que não fez diferença se no prontuário tinha nome ou só o numero do quarto. Só quando a Soraya intensificou  a quantidade e a frequência dos eletrochoques e aumentou de forma absurda as doses dos medicamentos é que me dei conta que havia algo errado.

_Você deveria saber que tinha algo errado, eu vivia sedado ao ponto de não me lembrar de você. Soraya só me deixava acordar para tentar arrancar as informações que ela quer e como eu não dei ela usava o eletrochoque como uma espécie de castigo. Que tipo de enfermeira você é?
_Eu não sou enfermeira, nunca fui. Precisava desesperadamente de um emprego e foi o que consegui. E se está se perguntando como? Digamos que não tenho dificuldades em “arrumar” um currículo do jeito que quero ou preciso.
_Eu não confio em você, odeio sopa e não quero conversar. Assim que eu estiver me sentindo melhor vou embora, mas faço questão de pagar por tudo que você está fazendo. Se me ajudar de verdade te pago dez vezes mais o que a Soraya está te pagando.
_Não estou a venda, estou te ajudando e ponto. Não tenho acordo nenhum com a Soraya. Estou fazendo sopa se não gosta não come, o fogão esta bem ali cozinhe o que quiser.


“Se esse chato quer guerra. Teremos guerra.”

“Ninguém nunca teve coragem de falar comigo desse jeito. A boazinha também sabe ser malvadinha. Foi engraçado de certa forma. Parece que vou ter que começar a gostar de sopa. Não posso perder o foco, não posso me afeiçoar  a ela, preciso tomar cuidado e falar o mínimo possível.”

Postar um comentário

 
Copyright © 2013 Infinitamente Nosso
Design by FBTemplates | BTT